Sífilis: o que é e como evitar

A sífilis é uma Doença Sexualmente Transmissível (DST) causada pela bactéria Treponema pallidum e transmitida pelo contato sexual. No mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença atinge 5,6 milhões de pessoas. No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, depois de 2016, foi registrado um aumento de 27,9% nos casos. Ainda de acordo com dados da OMS, publicados pelo Boletim Sífilis do Ministério da Saúde, a doença afeta um milhão de gestantes por ano em todo o mundo e é altamente prejudicial para a gravidez, levando a mais de 300 mil mortes fetais e neonatais.
 

Transmissão e prevenção da sífilis

 
Como uma DST, a transmissão da sífilis ocorre por meio do contato sexual sem preservativos com parceiros que tenham a doença. Há, ainda, a transmissão de mãe para filho, durante a gravidez, no momento do parto ou durante a amamentação.
 
O uso correto de preservativos é uma das principais formas de prevenção da transmissão da sífilis. No caso de gestantes, para o controle da sífilis congênita, é primordial o acompanhamento pré-natal correto e de qualidade. 
 

Sintomas e diagnóstico da sífilis

 
Segundo informações do Ministério da Saúde, os sintomas da sífilis se manifestam em quatro estágios:
 
Primário – como o próprio nome já diz, é o estágio inicial da doença. Nele, surge uma ferida, uma lesão, rica em bactérias, no local de entrada da contaminação (pênis, vulva, vagina, colo uterino, ânus, boca, ou outros locais da pele). O sinal aparece de 10 a 90 dias após o contágio. Neste estágio, é muito comum que as pessoas não deem tanta importância à ferida, pois ela não dói, não coça, não tem secreções e não arde. Um sinal de que ela não é “apenas uma ferida” é o aparecimento de ínguas (caroços) na região da virilha.
 
Secundário – entre seis semanas e seis meses após o aparecimento da primeira ferida e da sua cicatrização, inicia-se o segundo estágio da sífilis. Nele, aparecem manchas no corpo, palmas das mãos e plantas dos pés. Essas lesões não coçam, não ardem e também são ricas em bactérias. Nesse período, podem aparecer outras ínguas pelo corpo e sintomas como febre, mal-estar e dores de cabeça. 
 
Latente – também conhecido como fase assintomática, esse estágio da sífilis não apresenta sintomas ou sinais. Sua duração é interrompida pelo surgimento de sinais e sintomas do estágio secundário ou do terciário. Essa fase é dividida ainda em sífilis latente recente (quando o período de infecção está abaixo dos dois anos) e sífilis latente tardia (quando o período de infecção está acima de dois anos).
 
Terciário – pode surgir até 40 anos depois do início da infecção e apresenta sintomas e sinais mais graves, como feridas cutâneas, ósseas, cardiovasculares e neurológicas. Esse estágio pode levar o doente à morte. 
 
Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, o teste rápido (TR) de sífilis está disponível gratuitamente em toda a rede de serviços de saúde do SUS. Rápido, o teste apresenta o resultado em até 30 minutos e é prático, uma vez que não necessita de estrutura laboratorial para ser feito. 
 

Tratamento contra a sífilis

 
O tratamento da sífilis é feito com o uso da penicilina, que pode ser ministrada na própria unidade básica de saúde.
 

Conteúdo relacionado no Portal GNDI

 
 

Referências

 

 


Responsável pelo Conteúdo:
Dr. Rodolfo Pires de Albuquerque
CRM: 40.137
Diretor Médico do Grupo NotreDame Intermédica