Gestantes devem realizar o pré-natal odontológico

Saúde e Bem-Estar -

O pré-natal odontológico é um acompanhamento que visa orientar as gestantes sobre os cuidados com a própria saúde bucal. Essa prevenção é importante para evitar cáries, infecções e até extração dentária.

Durante a gravidez ocorrem alterações hormonais que impactam na saúde bucal da mãe. Entre as mudanças percebidas estão a sensibilidade da gengiva e o aumento da vascularização em toda mucosa bucal. “A gestante fica muito propensa a ter sangramentos gengivais, principalmente se ela não tiver uma higiene bucal adequada e frequente”, afirma a dentista Jaqueline Ferreira, coordenadora técnica da Odontologia Preventiva do Grupo NotreDame Intermédica.

SUMÁRIO

Quantas consultas são necessárias no pré-natal odontológico?

Durante os 9 meses de gestação, o ideal é que a gestante faça o acompanhamento constante com o dentista. O ideal é visitar o profissional duas a três vezes. As consultas podem ocorrer entre o terceiro e quarto mês da gestação e no segundo trimestre, próximo ao parto.

Quais procedimentos fazem parte do pré-natal odontológico?

O pré-natal odontológico consiste em orientações gerais à gestante sobre o cuidado com a higiene bucal. Na primeira consulta, o dentista esclarece dúvidas e entende a rotina de higiene da mãe. Caso a gestante tenha queixas sobre sua saúde bucal, como dores ou outro incômodo, o especialista vai investigar o que está provocando esses desconfortos. O dentista dará dicas sobre a escovação, inclusive para evitar enjoos são frequentes nesta fase que podem ser desencadeados pelo sabor e textura do creme dental.

A gestante também aprende a fazer a limpeza da boca do bebê mesmo antes do primeiro dente nascer, além de como cuidar das gengivas e arcadas para que se desenvolvam corretamente e, ainda, a importância de evitar hábitos como uso prolongado de chupetas e mamadeiras.

Quais os problemas bucais da mãe que podem afetar o bebê durante a gravidez?

O principal problema que ocorre durante a gravidez é a gengivite gravídica. Como a gestante costuma ficar com sensibilidade na gengiva por causa da alteração hormonal, a falta de higiene bucal adequada pode acarretar no acúmulo de placa bacteriana e, consequentemente, inflamação. “Caso essa inflamação evolua, pode causar uma periodontite ou um caso mais grave de gengivite, que pode afetar diretamente o bebê”, alerta a dentista Jaqueline Ferreira.

As bactérias presentes no quadro de gengivite, através da circulação sanguínea (placenta, cordão umbilical), podem ser transmitidas para o bebê e causar graves danos, como infecções respiratórias. “Gestantes com quadro de periodontite podem gerar bebês com deficiências, baixo peso e prematuros”, complementa Jaqueline Ferreira. 

Onde as gestantes podem fazer o pré-natal odontológico

Assim como o pré-natal geral, a assistência odontológica às mães também é oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em hospitais e maternidades.

O Ministério da Saúde desenvolveu a Caderneta da Gestante, instrumento de acompanhamento do pré-natal dirigido aos profissionais de saúde e mulheres gestantes que usam os serviços do SUS, distribuída em todo o país. O documento inclui um cartão de acompanhamento do pré-natal para registrar as consultas clínicas e odontológicas, os resultados dos exames e vacinas, entre outras informações.

Responsável pelo Conteúdo:
Gustavo Bonfiglioli Ramos
CROSP: 75.093
Responsável Técnico da Interodonto

Quero cotar plano de saúde