Dor no ouvido: quando o problema exige um especialista e como tratar

Saúde e Bem-Estar -

Dor de ouvido é um incômodo que pode acometer pessoas de qualquer idade, não apenas em crianças. Porém, de acordo com o especialista britânico Samuel Finnikin, oito em cada 10 crianças de até três anos de idade podem sofrer com dor de ouvido. Na idade escolar, a situação ocorrerá para quatro entre cada 10 e, já na fase adulta, o incômodo se torna um pouco mais frequente entre os homens do que entre mulheres.

Muitas vezes, o problema é de fácil resolução. Em outras, poderá ser necessária uma avaliação aprofundada de um especialista para definir o tratamento.

Homem com a mão no ouvido

O ouvido

O ouvido é o órgão da audição e do equilíbrio. Tem como estrutura os ouvidos externo, médio e interno, que trabalham para transformar as ondas sonoras em impulsos nervosos que se comunicam com o cérebro. É dessa forma que conseguimos identificar sons. Além disso, o ouvido interno garante a manutenção do equilíbrio das pessoas.

Dores

Geralmente, a dor no ouvido aparece de repente e é aguda, um incômodo impossível de não reparar. É uma sensação que pode aumentar se a região for tocada ou pressionada. Outros problemas que podem acompanhar, a depender da intensidade da dor, são os seguintes: vermelhidão; inchaço; secreção de pus; coceira; sensação de ouvido tampado ou surdez; febre; dor de cabeça; e mal-estar geral.

Origens

As causas mais comuns são as infecções por conta de vírus, bactérias e fungos, ou exposição à água. É possível também ter origem a partir de traumas, isto é, a manipulação incorreta da parte externa do ouvido com hastes flexíveis ou objetos. Cera endurecida ou ressecada também pode causar problemas na região.

Tipos de infecção

Otite externa aguda: afeta a parte mais externa e é mais frequente no verão devido ao calor, à umidade e ao excesso de exposição à água, portanto, situações que favorecem o crescimento de bactérias e fungos

Otite média aguda: costuma aparecer mais durante o inverno e decorre de gripe, resfriado, rinite, sinusite, adenoidite e exposição a ambientes fechados. É mais comum em crianças.

Dor de ouvido reflexa: caso em que a região do ouvido não tem problemas, mas a dor se manifesta em decorrência de possíveis inflamações na garganta, alterações nos dentes ou na articulação da mandíbula.

Barotrauma: sensação de água no ouvido ou de pressão intensa. O problema provoca incômodos no ouvido devido às alterações de pressão e é causado pela obstrução da tuba auditiva (trompa de Eustáquio), responsável por restaurar o equilíbrio do ouvido em situações como caminhadas em locais altos, mergulhos e viagens de avião. No entanto, também pode ser gerado por uma infecção ou problema na orelha média.

Quando procurar um especialista

A dor de ouvido é sempre um sintoma que precisa ser avaliado por um médico, por ser uma região próxima ao cérebro e colocar em xeque a audição, por exemplo. Assim, sempre que ocorrer um problema do tipo, é recomendado procurar um otorrinolaringologista.

Tratamentos

Dor no ouvido é uma situação abrangente, logo, cada caso será tratado de acordo com sua necessidade. Geralmente, o otorrinolaringologista prescreve analgésicos para redução da dor, gotas otológicas, ceruminolíticos (medicamento que amolece a cera) e anti-inflamatórios para ajudar no tratamento e controle da dor.

No caso do barotrauma, as trompas de Eustáquio devem permanecer abertas para evitá-lo. Ou seja, caso você esteja enfrentando uma gripe, resfriado ou crise de alergia, como a rinite, é indicado reagendar viagens de avião e/ou evitar as demais situações de alteração de pressão nos ouvidos. Se não for possível, é indicado o uso de um descongestionante horas antes do voo. O mais recomendado é consultar o médico, a fim de saber os medicamentos adequados para utilizar. Durante uma viagem de avião evite adormecer, especialmente durante a decolagem e o pouso da aeronave.

Dores constantes

Quando as infecções ocorrem repetidamente são chamadas de otites de repetição. Isso pode ocorrer por conta de predisposição familiar, em situações em que o canal do ouvido pode ser muito estreito ou por decorrências de doenças como rinite ou sinusite crônicas.

Outros problemas que podem levar à dor frequente são: hábito de colocar bebês e crianças para mamar deitados; clima frio; exposição à água; manipulação do ouvido; e eczemas. Outro ponto de atenção é ter em mente que, caso já tenha sido realizado um tratamento para dor de ouvido anteriormente, a otite de repetição pode indicar uma falha ou resistência de bactérias ao antibiótico utilizado.

Evitar automedicação e soluções caseiras

Não é recomendado se medicar por conta própria em caso de dores de ouvido. A inflamação pode não responder ao tratamento ou, pior, complicar o quadro. Logo, a utilização de antibióticos por conta própria é um risco que o paciente está assumindo e que pode agravar o quadro, levando à resistência das bactérias. As chamadas “soluções caseiras” também não são recomendadas, como: uso de álcool; óleo morno ou quente; leite materno; café; e introdução de itens pontiagudos.

Referências

UOL ViverBem
Portal Drauzio Varella
Audium Brasil

Responsável pelo Conteúdo:
Dr. Rodolfo Pires de Albuquerque
CRM: 40.137
Diretor Médico do Grupo NotreDame Intermédica

Quero cotar plano de saúde