Conheça as causas das hemorroidas

De acordo com a Sociedade Brasileira de Coloproctologia, as hemorroidas são veias dilatadas que surgem na região anal. Todas as pessoas possuem veias no local, e o problema está no momento em que elas inflamam, dilatam ou enfraquecem.
 
Segundo o grupo, elas são classificadas em dois tipos, as internas e as externas, dependendo da sua posição: o primeiro se desenvolve na parte interna do ânus e acaba recoberto pela mucosa intestinal. O segundo se desenvolve na parte externa, no canal anal e na região externa, e é recoberto por uma pele bem sensível. As hemorroidas externas se assemelham a varizes.
 
De acordo com pesquisa divulgada pelo National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases (EUA), até 75% dos homens e mulheres tiveram ou vão ter hemorroidas pelo menos uma vez na vida.
 

Causas das hemorroidas

 
De acordo com informações do Ministério da Saúde, as causas das hemorroidas podem ser:
  • prisão de ventre;
  • obesidade - o excesso de peso aumenta a pressão exercida na parte inferior do abdômen; 
  • gravidez - por conta da pressão exercida pelo bebê na parte inferior do abdômen;
  • sedentarismo – diminui os estímulos à digestão e à irrigação sanguínea para todo o corpo, incluindo a região anal;
  • genética;
  • dieta pobre em fibras e pouca ingestão de água – fatores que dificultam a digestão; e
  • sexo anal – que pode provocar fissuras na região.
 

Sintomas e diagnóstico das hemorroidas

 
Os sintomas mais comuns da hemorroida são dor, sangramento de intensidade variável, coceira (prurido) e até mesmo inchaço; surgem durante ou após a defecação. Os sintomas provocam desconforto e, em alguns casos, dores locais.
 
O diagnóstico pode ser apontado após avaliação de um médico coloproctologista e não requer exames laboratoriais ou de imagens. 
 

Tratamento contra as hemorroidas

 
Casos considerados leves podem ser tratados e aliviados com atitudes simples, como a mudança nos hábitos alimentares, aumento da ingestão de fibras (presentes em cereais, frutas, verduras e legumes) e de água. Para os casos mais graves, pode ser recomendada intervenção cirúrgica, como a ligadura elástica (procedimento no qual o vaso sanguíneo dilatado é amarrado para bloquear o sangramento), a escleroterapia (injeção de solução salina nos vasos dilatados para que desapareçam) e/ou a hemorroidectomia grampeada (remoção cirúrgica da hemorroida). 
 

Conteúdo relacionado no Portal GNDI

 
 

Referências

 

 


Responsável pelo Conteúdo:
Dr. Rodolfo Pires de Albuquerque
CRM: 40.137
Diretor Médico do Grupo NotreDame Intermédica