Como se prevenir da febre amarela

O Brasil vive atualmente um novo surto de febre amarela. Em suas manifestações mais graves, a doença que pode levar à morte em cerca de uma semana se não for tratada rapidamente. Por isso, é muito importante saber quem está em risco para essa infecção e quais as medidas recomendadas para se prevenir.

A febre amarela não é contagiosa, ou seja, não é transmitida de pessoa a pessoa. A transmissão ocorre somente pela picada de mosquitos infectados com o vírus da doença. A doença pode ser transmitida pelo Aedes aegypti, o mesmo da dengue, e também pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, que são mais comuns em áreas de mata. Zonas rurais, silvestres e de mata são consideradas áreas de risco.

Sintomas da febre amarela

Os sinais e sintomas mais comuns da doença são:

  • Febre alta;
  • Calafrios
  • Mal-estar;
  • Dor de cabeça;
  • Dores musculares;
  • Prostração;
  • Náuseas e vômitos.


Em casos graves, também pode ocorrer icterícia (pele e olhos de cor amarelada), hemorragia e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos, até o coma.

Caso você identifique alguns sintomas, não significa necessariamente que você está com a doença. Mas procure o médico o mais rápido possível. Informe sobre qualquer viagem recente para áreas de risco e se você tomou a vacina contra a febre amarela.

Vacinação contra a febre amarela

A forma mais eficaz de evitar a febre amarela é por meio da vacinação. Ela é recomendada apenas para pessoas que moram ou pretendem viajar para as áreas de risco de transmissão. É necessário tomá-la pelo menos dez dias antes da viagem. Os municípios em risco integram a Área com Recomendação de Vacinação do Ministério da Saúde.

O esquema da febre amarela é de duas doses, tanto para adultos quanto para crianças. A vacina é ofertada no Calendário Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS).

Para alguns grupos, entretanto, a vacina é contraindicada:

  • Crianças menores de seis meses;
  • Pessoas acima dos 60 anos;
  • Gestantes;
  • Mulheres que amamentam crianças de até seis meses;
  • Pacientes em tratamento de câncer;
  • Pessoas imunodeprimidas.

Na dúvida, converse com o seu médico para ele avaliar o que é melhor para o seu caso.

Outras formas de prevenção

Pessoas que não podem receber a vacina contra febre amarela e vão viajar para áreas de risco também podem tomar medidas para se proteger.

Repelentes - o uso de repelentes é indicado para evitar a picada pelos mosquitos transmissores. Existem formulações próprias para crianças entre seis meses e dois anos de idade e para gestantes. Mas crianças menores de seis meses não podem receber o produto. Também devem ser usados repelentes ambientais no quarto de dormir.

Blusas de manga compridas e calças - deixe o mínimo de áreas do corpo descobertas para dificultar a picada dos mosquitos.

Telas protetoras - instale nas janelas e portas telas próprias para evitar a entrada de mosquitos. Também procure dormir sob mosquiteiros.

Postos de vacinação contra febre amarela no estado de São Paulo


Referências

https://www.infectologia.org.br/admin/zcloud/125/2017/01/Informativo_Febre_Amarela_Profissionais_de_saude.pdf - acessado em 07/02/201
http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/unidades-de-referencia/fa/posto_fad1.htm, acessado em 08/02/17
http://www.cives.ufrj.br/informacao/fam/fam-br.html, acessado em 08/02/17
http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/unidades-de-referencia/fa/posto_fad1.htm, acessado em 08/02/17

 

Responsável pelo Conteúdo:
Dr. Rodolfo Albuquerque
CRM: 40.137
Diretor Médico do Grupo NotreDame Intermédica