Quais são as causas e os sintomas da pressão baixa?

A pressão arterial baixa pode não ser tão ruim em relação à pressão alta e, de fato, para algumas pessoas não é. No entanto, essa disfunção pode causar tontura e desmaios e, em casos mais graves, pode ser fatal. 
 
As causas podem variar de desidratação a graves distúrbios médicos ou cirúrgicos. Por isso, é importante descobrir o que está causando sua pressão arterial baixa para que ela possa ser tratada. 
Sintomas
Tontura 
Desmaio 
Vertigem 
Visão embaçada 
Náuseas 
Fadiga 
Falta de concentração
 
Nos casos mais graves, a pressão baixa pode resultar em: 
 
Confusão
Esfriamento do corpo
Respiração ofegante 
Batimentos cardíacos acelerados 
Causas 
A pressão arterial é a medida da pressão que o sangue faz nas artérias durante as fases ativas e de repouso de cada batimento cardíaco. Desta forma, existe as medidas para quando o sangue é bombeado para o resto do corpo e quando o coração está em repouso.

 

Pressão sistólica é o número mais alto quando se mede a pressão e representa a pressão que o seu coração gera nas artérias ao bombear sangue para o corpo. Já a pressão diastólica é o número inferior na medição e representa a pressão nas artérias enquanto o coração está em repouso. 
 
Atualmente, a ciência identifica a pressão arterial normal como inferior a 120/80 mm Hg (12X8).
 
Durante o curso de um dia, a pressão arterial de um indivíduo pode variar de acordo com a posição em que o corpo se encontra ou do ritmo da respiração, nível do estresse, condicionamento físico e medicamentos possivelmente ingeridos. 
 
Quão baixa pode ser? 
O que é considerado como pressão baixa para uma pessoa, pode ser normal para outra e as diretrizes reconhecidas pela medicina servem para nortear a medição em casos isolados. Quando apresentar os sintomas é que será considerado um problema de saúde. 
 
Alguns especialistas definem a pressão arterial baixa se os números identificados estiverem menores que 90 mm Hg (sistólica) ou 60 mm Hg (diastólica), ou seja, 9X6. 

Fatores de risco 

Gravidez: o sistema circulatório se expande rapidamente durante a gravidez e, por isso, é provável que a pressão arterial caia. Trata-se de uma situação normal, pois, na maioria das vezes, a pressão retorna ao que era antes do parto. 
 
Problemas cardiovasculares: existem algumas doenças cardíacas que podem levar à pressão baixa, como problemas nas válvulas cardíacas, infarto e insuficiência cardíaca. 
 
Disfunções endócrinas: tireoide, doença da paratireoide, insuficiência adrenal, baixa taxa de açúcar no sangue e, em alguns casos, diabetes. 
 
Desidratação: quando o corpo perde mais água do que recebe pode desencadear fraqueza, tontura e fadiga. Febre, diarreia grave, uso excessivo de diuréticos e fadiga decorrente de exercícios físicos excessivos podem levar à desidratação. 
 
Perda de sangue: perder muito sangue por conta de uma lesão grave ou hemorragia interna pode levar à queda da pressão. 
 
Infecção: a pressão pode ser afetada quando uma grave infecção entra na corrente sanguínea de um paciente. 
 
Alimentação: a falta de nutrientes, especialmente as vitaminas B-12 e folato podem prejudicar a produção de glóbulos vermelhos suficientes, ocasionando a pressão baixa. 

Diagnóstico 

O diagnóstico da pressão baixa pode ser feito mediante exames de rotina e avaliação para início ou acompanhamento de atividades físicas. Alguns exames são: 
 
Exames de sangue: responsáveis por fornecer informações sobre a saúde dos pacientes de um modo geral, inclusive sobre taxa de sangue no açúcar, excesso de açúcar no sangue ou quantidade de glóbulos vermelhos, situações que levam à pressão baixa. 
 
Eletrocardiograma: eletrodos são fixados no tórax, braços e pernas e fornecem informações a uma máquina responsável por “gravar” os sinais elétricos em um papel milimetrado ou os exibem em uma tabela.
 
Ecocardiograma: é a ultrassonografia do tórax que mostra imagens detalhadas da estrutura e da função ativa do coração. 
 
Teste de estresse: problemas cardíacos que levam à pressão arterial baixa podem ser diagnosticados com mais facilidade quando o coração está trabalhando. Para este teste, o paciente realizará algum exercício físico (esteira ou bicicleta).  

Tratamento 

Quando os sintomas não se manifestam, não se faz necessário um tratamento regular e a pressão baixa pode ser controlada com alguns hábitos e recomendações.
 
Já quando se manifestam, a necessidade de um tratamento específico será avaliada a partir da causa da pressão baixa. Por exemplo, quando causada por medicamentos, provavelmente o uso do mesmo será suspenso ou alterado. 
 
No entanto, as medidas a seguir podem ajudar a controlar casos de pressão baixa: 
 
  • Consuma alimentos ricos em sal 
  • Beba água
  • Use meias compressoras
  • Medicamentos (em alguns casos podem ser prescritos medicamentos para controlar a pressão) 
 
Fonte: Grupo NotreDame Intermédica com informações de Mayo Clinic e Minuto Saudável. Acesso em 6 de maio. 


Responsável pelo Conteúdo:
Dr. Rodolfo Pires de Albuquerque
CRM: 40.137
Diretor Médico do Grupo NotreDame Intermédica