Dicas para prevenir a cárie que vão além da boa escovação

Saúde e Bem-Estar -

Quando pensamos em cárie, logo vem à mente o dente com um buraquinho, não é mesmo? Mas, você sabe por que ele se forma?

A cirurgiã-dentista do Grupo NotreDame Intermédica, Denise Lacerda Escobar, explica que a cárie é uma infecção causada pela proliferação excessiva de bactérias presentes naturalmente na boca. Esse desequilíbrio bacteriano é consequência do acúmulo de restos alimentares não removidos por falta de higiene oral adequada. “Outra causa desse problema é o consumo exagerado de produtos ricos em açúcar, como doces e bolachas”, afirma.

torrão de açúcar em formato de dente com carie

Sinais e sintomas

O principal sintoma da cárie é a dor de dente, acentuada com a mastigação ou a ingestão de líquidos gelados ou quentes. Mas também pode ser observado inchaço na gengiva e sensibilidade ao tocar no dente.

Visualmente essa condição é caracterizada por manchas brancas e marrons na superfície dental ou até mesmo um furinho (chamado de cavidade).

Problemas ocasionados pela cárie

Essa infecção pode causar dificuldade para mastigar e se alimentar, sensibilidade e até evoluir para dor intensa, fratura e, em casos mais agudos, levar à perda dos dentes.

“Se não for tratada, a cárie pode gerar infecções graves, com formação de abscessos que podem ocasionar infecção nos ossos da maxila e da mandíbula. Isso aumenta o risco de doenças sistêmicas, pois há possibilidade de as bactérias alcançarem a corrente sanguínea e afetar órgãos como o coração (causando endocardite bacteriana e aumento do risco de infarto) e os pulmões (elevando o risco de pneumonias bacterianas)”, alerta a cirurgiã-dentista do GNDI.

Tratamento

Uma vez instalada a lesão de cárie, a única forma de tratamento é indo ao dentista para fazer a remoção do tecido afetado e, em seguida, aplicar o material restaurador, que pode ser resina, ionômero ou coroas de reconstrução, dependendo da extensão e profundidade. Geralmente, o problema é sanado em uma consulta, exceto quando há vários dentes cariados.

Prevenção

Denise Lacerda Escobar afirma que, para prevenir a cárie, não basta escovar os dentes ao menos três vezes por dia e usar fio dental. É preciso diminuir o consumo de açúcar, refrigerantes e alimentos industrializados, além de utilizar sempre o creme dental com flúor.

Outra dica é aumentar a ingestão de determinados alimentos saudáveis chamados de “protetores”, porque ajudam a evitar a cárie. Eles são famosos por promover uma limpeza (mesmo que superficial) dos dentes, melhorando a qualidade da saliva. Alguns exemplos são:

  • Alimentos ricos em fibras (como as frutas secas), que aumentam a produção da saliva;
  • Oleaginosas (castanhas, amêndoas e nozes) e frutas duras (como a maçã), que contribuem para eliminar a placa dental;
  • Alimentos ricos em cálcio (iogurte, queijo frescal e ricota), que reforçam a estrutura dos dentes e também colaboram na manutenção do equilíbrio do pH bucal.

“É importante lembrar que a dieta equilibrada ajuda muito na manutenção da saúde bucal, mas não substitui a escovação diária, o uso do fio dental e os demais cuidados de higiene”, frisa a dentista do GNDI.

Influência do pH bucal

O pH da boca varia ao longo do dia em função da hidratação do organismo, dos alimentos ingeridos e da higienização. “A saliva é a grande responsável pela autolimpeza e manutenção do pH bucal. Quando a higiene bucal não é realizada ou é deficiente, a saliva se torna mais ácida e sozinha não é capaz de neutralizar os ácidos provenientes da fermentação dos alimentos, o que eleva o risco do aparecimento de cáries”, explica Denise Lacerda Escobar.

Referências

Fonte: Grupo NotreDame Intermédica com colaboração da cirurgiã-dentista Denise de Lacerda Escobar. 

Responsável pelo Conteúdo:
Dr. Rodolfo Pires de Albuquerque
CRM: 40.137
Diretor Médico do Grupo NotreDame Intermédica

Quero cotar plano de saúde