Como saber se você tem halitose

 
Halitose, ou mau hálito, é quando a pessoa exala um odor desagradável pela boca. Não é considerado uma doença, mas indicação de alguma patologia, alteração fisiológica ou problema de saúde. É o odor expirado pelos pulmões, boca e narinas e pode ser identificado por meio de diagnóstico médico e, quando crônico, tratado adequadamente.
 
No Brasil, segundo a Associação Brasileira de Halitose (ABHA), cerca de 30% da população sofre com este problema, o correspondente a aproximadamente 50 milhões de pessoas. 
 
Embora não seja uma doença, a halitose pode causar uma série de problemas e transtornos de convívios. Então como saber se você tem halitose? Muitas vezes, são as pessoas próximas que percebem a halitose porque acontece a chamada “acomodação olfativa” e o portador nem sempre percebe o problema.
 
A dentista Jaqueline Ferreira, Coordenadora Técnica de Odontologia Preventiva do Grupo NotreDame Intermédica, explica que existem medidores que podem determinar o PH bucal e a volatilização de gases expelidos durante a respiração, inclusive alguns portáteis de venda livre pela internet, porém são muito subjetivos e nem sempre precisos.

Quais são as causas do mau hálito?

Para se ter uma ideia, existem cerca de 60 causas distintas. Entre as possíveis causas para o incômodo estão o hálito da manhã, jejum prolongado e dietas desequilibradas. O problema também pode estar relacionado à má higiene bucal, placa bacteriana retida na língua ou amídalas, baixa produção de saliva e doenças da gengiva. 
 
Problemas nas vias aéreas como rinites, sinusites, obstruções e adenoides também podem provocar o mal-estar, assim como estresse e doenças como diabetes e problemas renais ou hepáticos e prisão de ventre acentuada.
 
O uso excessivo de medicações, cigarro, consumo de drogas, bebidas alcoólicas e a utilização de soluções para bochecho com álcool na composição também são fatores que podem comprometer o hálito.

Halitose tem a ver com problemas no estômago?

Segundo a Associação Brasileira de Odontologia, embora seja muito comum associarem o mau hálito a desordens estomacais. Na maior parte das vezes, entre 90 e 95% dos casos, o transtorno vem da cavidade bucal mesmo.

Como fazer a prevenção do mau hálito?

Para evitar o mau hálito, o principal cuidado é com a saúde bucal. É importante manter uma rotina de visitas anuais ou semestrais ao dentista, escovar os dentes três vezes ao dia, incorporando o uso do fio dental. Portadores de próteses fixas ou implantes devem ficar atentos porque nesses casos há uma orientação mais específica. 
 
“Cuidar também da saúde sistêmica, procurar fazer um check-up médico anual, e aos poucos, tentar mudar um comportamento que infelizmente está incorporado em grande parte da população, que é procurar o médico ou o dentista apenas nos momentos de crise, quando já há presença de dor ou outros sintomas agudos”, ressalta a dentista Jaqueline Ferreira. 

Qual é o tratamento da halitose?

O dentista deve ser o primeiro profissional a ser procurado, para que seja feito um check-up completo em dentes, gengivas, língua, mucosas e orientação sobre higiene bucal. 
 
Dependendo do grau, intensidade e da cronicidade do quadro de halitose, porém, o tratamento pode envolver uma equipe multidisciplinar. O dentista pode encaminhar o paciente para um nutricionista, que o ajudará com orientações e ajustes na dieta; para o otorrinolaringologista, quando há suspeita de problemas em nariz ou garganta; ou clínico geral ou endocrinologista, em caso de histórico de doenças crônicas ou alterações metabólicas.

Dicas para evitar o mau hálito

  • Comer a cada três horas, evitando o jejum prolongado
  • Evitar comidas muito salgadas, quentes ou condimentadas que tornam a boca mais seca;
  • Evitar o consumo de álcool e cigarro, que também contribuem para o ressecamento bucal;
  • Consumir alimentos com fibras como legumes e frutas como maçã e cenoura, que também contribuem com a limpeza dos dentes e evitam acúmulo de resíduos;
  • Ingerir mais de 2 litros de água por dia;
  • Escovar os dentes e usar fio dental três vezes ao dia após as refeições

Conteúdo relacionado no Portal GNDI

Referências:

 
 
Responsável pelo Conteúdo:
Dr. Rodolfo Pires de Albuquerque
CRM: 40.137
Diretor Médico do Grupo NotreDame Intermédica