Tire todas as suas dúvidas sobre a vacina da gripe

O vírus Influenza é o causador da gripe e costuma circular com maior intensidade no Brasil a partir de março, período em que as temperaturas começam a ficar mais amenas com a chegada do outono. A vacina da gripe protege contra até quatro diferentes tipos de vírus Influenza e está disponível nas redes pública e privada.

A pessoa imunizada tem menor risco de desenvolver as formas mais graves da doença e ainda contribui para minimizar a disseminação do vírus. A seguir, respondemos algumas dúvidas frequentes sobre esse assunto.

1. Como é feita a vacina da gripe?

As vacinas contra a gripe são chamadas de inativadas, ou seja, são produzidas a partir de vírus morto, por isso não são capazes de causar a doença. São compostas por proteínas de diferentes cepas do vírus Influenza, definidas ano a ano conforme a orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que realiza a vigilância nos hemisférios Norte e Sul. Atualmente, temos as seguintes vacinas disponíveis:

• Vacina trivalente: composta por duas cepas de vírus A e uma cepa de vírus B. Está disponível nos serviços privados de vacinação ou nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) para os grupos considerados de risco.
• Vacina quadrivalente: composta por duas cepas de vírus A e duas cepas de vírus B. Está disponível nos serviços privados de vacinação.

Leia Mais

2. Qual a importância de tomar a vacina da gripe?

A vacina apresenta as proteínas da cápsula do vírus para provocar uma reação no nosso sistema imunológico, que passa a produzir anticorpos contra as cepas. Assim, já tendo anticorpos contra essas cepas do vírus Influenza, em caso de contato, o organismo é capaz de conter a infecção impedindo que o vírus se replique ou reduzindo a sua replicação, o que diminui a gravidade da infecção.

Além da proteção pessoal, já que diminui o risco de contrair a doença ou de evoluir para complicações, há o benefício comunitário. Quanto mais pessoas vacinadas, menor a circulação do vírus na sociedade, minimizando ainda mais os riscos para as pessoas de grupos mais suscetíveis.

Leia Mais

3. Para quem essa vacina é indicada?

É indicada para toda a população acima dos 6 meses de vida. Apesar de existirem grupos de maior risco, quanto mais elevada a porcentagem da população vacinada, menor a chance de propagação da doença.

De acordo com o Ministério da Saúde, os grupos prioritários para receberem a vacina da gripe são:

• Crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade;
• Gestantes e puérperas;
• Povos indígenas;
• Adultos entre 55 e 59 anos de idade;
• Idosos com mais de 60 anos de idade;
• Pessoas portadoras de doenças crônicas, com doenças transmissíveis e não transmissíveis, com sistema autoimune comprometido e portadores de trissomia;
• Pessoas com deficiência permanente;
• Profissionais de saúde e professores.

Leia Mais

4. Por que é preciso tomar uma nova vacina todos os anos?

A revacinação anual contra a gripe é fundamental por dois motivos. O primeiro é que a proteção conferida pela vacina cai progressivamente seis meses depois da aplicação. O segundo é a variação dos subtipos circulantes de Influenza. Como eles mudam com frequência, mesmo que o efeito da vacina durasse mais tempo, ela poderia não proteger contra os vírus do inverno seguinte.

5. Onde é possível se vacinar?

Os grupos de risco e prioritário têm vacina disponível na rede pública de saúde. Os serviços privados de vacinação possuem as vacinas trivalente e quadrivalente para qualquer pessoa a partir de 6 meses de idade, sem restrições de faixa etária.

6. Existem efeitos colaterais e contraindicações?

De 15% a 20% dos vacinados relatam dor, vermelhidão e endurecimento no local da aplicação. São reações leves e que desaparecem em até 48 horas. Já as manifestações sistêmicas como febre, mal-estar e dor muscular também são benignas e breves. Geralmente, têm início de 6 a 12 horas após a vacinação e persistem por um a dois dias, sendo mais comuns na primeira vez em que tomam o imunizante. Como a vacina é composta por vírus morto, essas reações advêm da resposta imune do corpo e não são causadas pelo vírus vacinal. As reações alérgicas são raríssimas.

A contraindicação formal está restrita apenas às pessoas que apresentam reações alérgicas aos componentes da vacina ou tiveram reação alérgica na dose anterior.

No entanto, pessoas com suspeita de Covid-19 ou sintomas de outras infecções precisam aguardar a pronta recuperação antes de tomar a vacina da gripe.

Leia Mais

7. Qual o tipo de proteção que essa vacina oferece?

A vacina da gripe oferece proteção contra as variantes do vírus Influenza. A trivalente é eficaz contra os vírus H1N1, H3N2 e um tipo de Influenza B, já a tetravalente tem ação protetora contra os agentes da trivalente e ainda um tipo a mais do vírus Influenza B.

8. Com o cenário atual da pandemia de Covid-19, algo muda em relação à vacina da gripe?

É fundamental que as outras vacinas do calendário sejam tomadas por crianças e adultos para a prevenção das doenças. Deve ser respeitado um intervalo de 14 dias entre vacinas diferentes, porém recomenda-se que a prioridade seja sempre a imunização contra o coronavírus.

Ainda não existem estudos avaliando a interação entre a vacina da gripe e a vacina contra o coronavírus, por isso o protocolo é aguardar duas semanas entre as doses dos imunizantes.

Leia Mais

 

Responsável pelo Conteúdo:
Dr. Rodolfo Pires de Albuquerque
CRM: 40.137
Diretor Médico do Grupo NotreDame Intermédica