Os cuidados com o zika vírus

É preciso ter atenção redobrada, principalmente as gestantes e os idosos

Uma das principais preocupações das gestantes é o zika vírus, que pode levar à microcefalia do feto. A doença, transmitida pelo Aedes aegypti - responsável ainda pela dengue e chikungunya -, também merece atenção especial por parte dos idosos, segundo a Dra. Daniela Franco Leanza, coordenadora do Programa de Gestação Segura da NotreDame Intermédica. Acompanhe a entrevista, a seguir.

Os riscos das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti aumentam no verão?

Dra. Daniela - Sim. Nesta época, há maior acúmulo de água em lugares a céu aberto, como vasos, pneus e garrafas vazias, que funcionam como depósito para os ovos do mosquito. Além disso, as pessoas tendem a sair com roupas que deixam mais expostos braços e pernas, facilitando possíveis picadas. Por isso, é preciso eliminar os criadouros e se proteger, usando roupas claras, repelentes e, se possível, cobrindo a maior parte do corpo.

Quais são os sintomas do zika vírus?

Dra. Daniela - Os sintomas são febre baixa, vermelhidão ou erupções na pele, conjuntivite, dores musculares, de cabeça e nas articulações, além de fadiga. Deve-se procurar o médico caso os sintomas persistam.

Quem deve tomar mais cuidado?

Dra. Daniela - Os cuidados devem ser redobrados no caso dos idosos, devido à baixa imunidade, e das gestantes, pois o zika vírus está relacionado à microcefalia em recém-nascidos.

Como se proteger?

Dra. Daniela - É preciso eliminar criadouros do Aedes aegypti e evitar regiões onde há focos do mosquito. Se o parceiro da gestante transitar por regiões suspeitas, o casal deve usar preservativo nas relações sexuais.

 

 

Acesse nossas Redes Sociais:

Mais notícias